Assine a news!
Carregando...Carregando...


Déficit de atenção pode ser resultado da vida moderna, que limita atividade física das crianças.

Exercícios podem beneficiar estudantes, aumentando a capacidade de concentração em sala de aula. É o que mostra novo estudo realizado com mais de mil crianças pela Universidade de Leeds, no Reino Unido. De acordo com o trabalho, apenas 15 minutos de atividades físicas são capazes de melhores a performance de alunos em testes de cognição.

“Muitas pesquisas com idosos demonstraram que exercícios ajudam o cérebro a funcionar”, diz Mark Mon-Williams, professor de psicologia cognitiva na universidade. “Esse é o primeiro estudo a mostrar que exercícios podem ter efeitos similares em crianças”.

Os pesquisadores ainda não sabem como atividades físicas podem ajudar as crianças a terem uma concentração maior, e outras pesquisas precisam ser realizadas para determinar os mecanismos cerebrais envolvidos no processo. Entretanto, o trabalho já é capaz de mostrar que exercícios em escolas podem ajudar o rendimento acadêmico. “A pesquisa também coloca em questão o quanto o declínio frequente de atenção relatado em crianças nessa vida moderna resulta da falta de exercícios físicos”, ressalta Justin Williams, do setor de psiquiatria infantil da Universidade de Aberdeen, parceira neste estudo.

Fonte: blog.estadao.com.br

De acordo com estatísticas das autoridades de saúde, cerca de 80% das pessoas já tiveram ou terão dores nas costas, o que mostra que o problema é para lá de abrangente. Mesmo os praticantes assíduos de atividade física, em nível profissional ou amador, não escapam dessa estatística. Em muitos casos, as dores são passageiras e vão embora com o auxílio de analgésicos, mas segundo o Ministério da Saúde, cerca de cinco milhões de brasileiros acabam procurando médicos para tratar a dor nas costas, sentidas por períodos mais extensos. Nesses casos, uma atenção maior ao funcionamento do corpo e alterações nos hábitos de postura são as únicas maneiras de aliviar o desconforto.

Especialistas defendem que, quanto mais resistentes os músculos, mais protegidos ficamos do incômodo das dores. Por isso, muitos fisioterapeutas pedem para que os indivíduos que precisam proteger as costas trabalhem os músculos do tronco (abdominais e eretores da espinha). Isso foi observado em uma pesquisa que acompanhou os moradores da cidade de Copenhagen (Dinamarca) por um ano concluiu, que resistência e não força foi o fator que aparentemente preveniu o aparecimento de dores nas costas. E neste caso, é importante ponderar as diferenças entre resistência e força na prevenção. O que vale a pena, de acordo com os resultados deste estudo, é investir em mais repetições e menos carga (peso) para os exercícios nos músculos do tronco, já que a fadiga muscular, comum nos grandes esforços, diminui a proteção contra as dores.

O mesmo foi observado em outras pesquisas. Em estudo realizado na cidade de Helsinque (Finlândia), com 126 indivíduos, a resistência dos músculos do tronco também foi o único fator associado à incidência de episódios de dores nas costas. A conclusão foi semelhante em um terceiro estudo, conduzido na cidade de Teerã (Irã), no qual 600 pessoas foram subdivididas em 4 grupos: 150 homens assintomáticos, 150 mulheres assintomáticas, 150 homens com dores na região lombar e 150 mulheres com o mesmo sintoma. Novamente, dentre todas variáveis pesquisadas, a única que apresentou estrita relação com dores nas costas foi a baixa resistência dos músculos do tronco, principalmente os eretores da espinha.

Portanto, a resistência muscular obtida com exercícios para aumentar a resistência dos eretores da espinha e também dos músculos da parte de trás do tronco é fator fundamental na prevenção de dores nas costas. Peça a orientação de um professor para a execução dos exercícios e invista em resistência, ou seja, mais repetições e menos carga, para fugir do incômodo.

Fonte: saudeplena.com.br

Quatro academias de ginástica foram interditadas em Anápolis, a 55 km de Goiânia por não possuir alvará de funcionamento e nem profissional formado em educação física. Fiscais da Vigilância Sanitária e do Conselho Regional de Educação Física (Cref) vistoriaram diversas academias na cidade na quinta-feira (28).

Das 40 academias da cidade, quatro funcionavam de forma clandestina. Os locais visitados são bonitos, com equipamentos novos e de última geração, mas, segundo o Conselho, estavam com a situação irregular.

Uma das irregularidades encontradas em uma das academias foi a presença de crianças nos locais de exercícios. “Um peso que cair em uma criança, dependendo da altura pode ser fatal em uma criança”, diz a fiscal do Cref Loraine Rios Porta.

De acordo com os fiscais, em outra academia, uma mulher estava trabalhando como personal trainer, mas não tinha autorização para exercer a profissão. “Nós vamos instaurar um inquérito criminal por exercício ilegal da profissão”, explica o fiscal da Vigilância Sanitária Césio Malaquias.

Riscos

Segundo a fiscal Loraine Rios, quem frequenta uma academia sem um profissional formado em educação física corre sérios riscos: “Desde uma lesão pequena até lesões maiores que não terão retorno, como na coluna, joelho e tornozelos”.

As academias interditadas só poderão funcionar novamente depois que regularizarem a situação junto ao Conselho Regional de Educação Física e à Vigilância Sanitária. Os donos das academias foram notificados e vão responder por contravenção penal.

A TV Anhanguera tentou ouvir os responsáveis pelas academias interditadas, mas não obteve retorno.

Fonte: Portal G1

A falta do ferro no organismo pode causar sonolência, fraqueza, dor de cabeça, falta de concentração e apatia. Com a deficiência do ferro, o rendimento de atletas pode cair muito, porque os órgãos e músculos deixam de receber a oxigenação adequada. O consumo diário de ferro deve ser na ordem de 18mg, o que não é tão fácil. Além disso é preciso ficar de olho nas armadilhas que prejudicam a absorção do ferro no organismo.

Confira alguns dos alimentos com maior concentração de ferro:

  • Coração de frango (100g) = 6,5 mg
  • Fígado bovino (100g) = 5,8 mg
  • Bife de carne vermelha (100g) = 4,1 mg
  • Peito de Frango Assado (140g) = 2,8 mg
  • 1 colher de sopa de ervilha cozida = 1,5 mg
  • 1 concha de feijão = 1,2 mg

Dicas para absorção do ferro no organismo:

Até 50% do ferro da carne é absorvida pelo organismo. Mas o processo é prejudicial se ela for consumida com leite ou derivados. O ferro nos grãos e vegetais precisam da vitamina C para serem corretamente absorvidos. Inclua nas refeições: limão, laranja, abacaxi e tomate. Evite chá preto, mate e café perto das refeições, pois pode diminuir em até 40% a absorção do ferro.

Segundo estatísticas de academias de ginástica de todo o país, a época de frio é a melhor para cuidar do corpo e mesmo assim é a fase do ano que se observa a maior evasão nas academias de ginástica.

É claro com no inverno dá muita preguiça de sair de casa e enfrentar os aparelhos e aulas da academia, porém as pessoas que deixam de freqüentar a academia nessa época acabam relaxando e até engordando, pois perdem o ritmo e consomem alimentos mais gordurosos para suprir as baixas temperaturas.

Especialistas em fisiologia e treinadores explicam que no frio o rendimento dos exercícios é bem melhor, pois como o corpo não transpira tanto as atividades que ativam a frequência cardíaca podem ganhar mais ênfase, ajudando muito no trabalho corporal.

De acordo com o fisiologista Diego Leite de Barros, do Sport Check-up do HCor, para manter as atividades físicas em dia nesse período, basta seguir algumas recomendações. “Para que o organismo não sofra no momento do treino ou atividade física o aquecimento prévio, com movimentos leves que facilitam a adaptação do metabolismo no momento do exercício, é fundamental”, afirma.

É fato que o aquecimento deve ser realizado antes de qualquer atividade, porém, no inverno, ele deve ser feito com maior atenção. “Para aqueles que realizam corridas e caminhadas o aquecimento deve iniciar-se de forma leve e sua intensidade elevada gradativamente”, orienta o profissional.

“Já os praticantes de exercícios de força, na academia, podem começar com um breve aquecimento na esteira ou bicicleta e a seguir movimentos articulares amplos com pouca ou nenhuma carga. Após o aquecimento e alongamento do corpo o atleta está pronto para exercer suas atividades habituais”.

Cuidados como utilizar roupas leves na prática da atividade física e repor líquidos também fazem parte das recomendações do fisiologista. “Apesar de transpirarmos menos, o corpo ainda necessita de hidratação diária, a base de líquidos e alimentos leves”, diz.

Na academia de Musculação, muitos alunos pegam pesado, são os chamados “Marombeiros”, porém a grande maioria deles acabam executando alguns exercícios de forma incorreta, pois na cabeça destas pessoas, diminuir a carga é uma ofensa.

Quantas vezes não presenciamos os caras fazendo uma rosca direta, por exemplo, jogando a coluna para frente e para trás como se fosse uma cadeira de balanço, ou então, quando estão executando uma puxada pela frente, onde mais uma vez o que mais está sendo exigido é a coluna e não o músculo a ser trabalhado, e não adianta o instrutor tentar corrigir porque a grande maioria não aceita uma dica de um especialista.

Todos exercícios de musculação devem ser feitos com total segurança, ou seja, priorizando as regiões lombares, cervicais, para não haver um risco de lesão como uma hérnia de disco, e se o aluno está forçando a coluna o principal motivo é a carga que está muito elevada, então a coluna passa a ser muito exigida.

A fórmula para se ter uma melhor postura nos exercícios é muito simples, diminuir o peso e então fazer o movimento de forma correta, sem forçar a coluna vertebral, manter o abdômen sempre contraído é um ponto muito importante para que a nossa postura se torne correta, isso fará com que esses alunos tenham um trabalho mais concentrado na musculatura que está sendo utilizada durante o exercício, diminui sensivelmente o risco de lesões e otimiza os seus resultados no treino.

Então pessoal, quanto melhor for à postura durante o exercício, melhor será o trabalho do músculo. Pois, não haverá a dita “roubadinha” e os resultados no ganho de Massa Muscular será bem significativo.

Boas práticas fazem o seu treino, e o dos outros, render mais

Quem nunca teve a sensação de estar descobrindo uma nova realidade quando começa a frequentar a academia? Tudo é novidade, da série dos exercícios às pessoas novas que passam a fazer parte do seu convívio. Sem contar as dúvidas existenciais que pipocam na cabeça, como: com que roupa ir? Quando puxar conversa com alguém durante as aulas? Os dilemas não são à toa, pois até mesmo na academia é preciso respeitar as regras da boa convivência. “Algumas dicas de bom comportamento devem ser dadas pelo professor”, diz a professora de educação física Andrea Martins Oliveira, personal trainer. “É mais comum do que se imagina uma pessoa deixar de praticar exercícios por ter uma má impressão dos alunos que frequentam a mesma academia”, explica Andrea Martins. Para não ficar desmotivado e nem desmotivar ninguém, confira estas seis regras de etiqueta que fazem o seu treino e o do colega renderem mais.

Limpar o aparelho após o uso
O hábito de limpar o aparelho usando um pano umedecido com álcool é uma questão de etiqueta e de higiene, essencial para que todos tirem proveito dos exercícios com conforto e segurança. Algumas doenças transmitidas por bactérias e vírus, como a própria gripe, podem ser transmitidas pelo suor. “Usar um aparelho molhado do suor alheio, além de ser desagradável, pode dificultar a execução do exercícios – já que a superfície em contato com o corpo fica escorregadia. As academias sempre deixam ao lado de cada equipamento um pano com álcool para higienizar a superfície assim que o exercício terminou”, diz Andrea Martins.

De acordo com a personal trainer Paula Loiola, toda a superfície do aparelho que entrou em contato com o corpo deve ser limpa. Aparelhos como leg press, chest press, banco scott, o banco da bicicleta e também os colchonetes usados para fazer abdominais, devem ser limpos após o uso.

Não deixe os pesos espalhados
Outro deslize cometido com o material da academia é não colocar os pesos e halteres no lugar certo após o término da série. De acordo com a personal trainer, em quase todas as academias há um suporte especial para cada tipo de peso, facilitando a organização. Por isso, deixar os pesos largados em qualquer lugar, além de deixar o ambiente bagunçado, pode dificultar e atrasar o treino de outra pessoa, já que fica mais fácil fazer a série de exercícios com o peso errado – sem falar no risco de alguém tropeçar neles e se machucar.

“Quando um haltere está no lugar que indica claramente qual é o seu peso, o usuário tem menos chances de fazer o exercício com o material errado, facilitando o treino”, explica a personal trainer Paula Loiola.

Perceba se o colega quer papear
Por mais que a academia seja um ambiente bastante descontraído e propício para fazer novas amizades, ficar puxando conversa com quem está tentando se concentrar no exercício pode pegar mal. A regra não é fazer o treino em silêncio, mas é importante prestar atenção se os outros querem bater papo também.

“Fica mais difícil controlar a respiração e contar quantas séries já foram feitas quando tem alguém falando constantemente com você”, explica.

Escolha roupas confortáveis
De acordo com a personal treiner, usar roupas que chamam muito a atenção pode causar um constrangimento geral na academia. “A academia não deve ser um lugar de desfile de moda”, explica. E, mais do que isso, as peças muito curtas e apertadas, são desconfortáveis e ainda podem atrapalhar o treino. As roupas mais adequadas para a prática de exercícios físicos são aquelas mais confortáveis, feitas de algodão e tecidos dry fit.

Cuidado no vestiário
No vestiário, use o armário apenas quando estiver usando a academia, sem deixar seus pertences lá, de um dia para o outro. A maioria das academias tem armários rotativos. Basta usar um cadeado quando guardar suas coisas e, depois do treino, deixar livre para o próximo aluno.

Preste atenção na fila dos aparelhos
Principalmente em academias de pequeno porte, é comum que filas se formem nos aparelhos mais usados. Quando isso acontecer, o melhor a fazer é revezar. “Todos precisam de pelo menos um minuto de descanso entre as séries. Nesse intervalo outra pessoa pode usar o aparelho”, instrui Andrea Martins.

Outro ponto importante é tomar cuidado para não furar fila. Como as pessoas na academia não costumam ficar do lado do aparelho “guardando lugar”, é melhor perguntar se alguém está na fila para usá-lo.

A adicção ou dependência ao exercício, também chamada de Vigorexia, em inglês, é um transtorno no qual as pessoas realizam práticas esportivas de forma contínua e exagerada.

A Vigorexia, mais comum em homens, se caracteriza por uma preocupação excessiva em ganhar músculos e ficar forte a qualquer preço. Apesar dos portadores dessa doença serem bastante musculosos, passam horas na academia malhando e ainda assim se consideram fracos.

Os pacientes geralmente têm vergonha do próprio corpo, e buscam acabar com esse problema com os exercícios excessivos e usando esteróides anabolizantes.

Alguns sintomas da Vigorexia:

*Cansaço fora do comum;
*Irritabilidade;
*Sem vontade de malhar;
*Perda de apetite;
*Perda de força;
*Contusões e resfriados freqüentes;
*Sede anormal;
*Insônia;
*Tremor nas mãos;
*Ansiedade;

Se você está com mais de um dos sintomas acima então é bom dar uma parada nos treinos pelo menos por 2 semanas, pois não vai adiantar continuar treinando sem que os músculos estejam totalmente descansados, não trará nenhum resultado com relação ao ganho de massa muscular.

A melhor coisa a fazer é procurar dormir bem e buscar alimentos que possuem muita vitamina, até usar algum suplemento pode ajudar, mais sempre lembrar que suplemento não pode substituir as refeições diárias. Os sintomas da Vigorexia muitas vezes são ignorados, pois muitas pessoas não aceitam o fato de estarem viciadas em academia e músculos, mas devemos atentar para isso, porque se ignorarmos os sintomas, a consequência virá!